quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Instantâneos de Escárnio e Mal-Dizer

Com o cabelo apanhado e de óculos na ponta do nariz, estilo catequista, a Criacionista histriónica avançou triunfante em direcção ao palco, abominando o aborto e dando graças pela Guerra no Iraque. A multidão cantava entusiasticamente "Drill, baby, drill" e ela, de bíblia numa mão e Magnum na outra, abeirou-se do palanque.
De braço pendente, com uma carabina ao ombro e a bandeira da União pendendo-lhe em jeito de capa de super-herói, o Veterano aleijadinho, com um sorriso, acercou-se também do palanque.
Cumprimentaram-se, rezaram em palco e acabaram a saltitar pateticamente ao som de "Sweet home Alabama".
Enquanto isto, o pseudo-Messias, de sorriso publicitário na face e de microfone na mão, prometia pela enésima vez que é possível sonhar e que a mudança (?) pode acontecer, num palco dominado por um gigantesco placard, com uma única frase: "My Russian Silence".

3 comentários:

David Lourenço Mestre disse...

O nacht é que devia tentar escrever sobre os horrores da heterofobia - a ver se passo cá mais vezes

cumprimentos

Luna disse...

Hehe!

Bjinhos

P.S. Recuso-me a fazer comentários quando há word verification porque geralmente só acerto à terceira, mas hoje abri uma excepção.

Carmo da Rosa disse...

”e ela, de bíblia numa mão e Magnum na outra, abeirou-se do palanque.”

Um Magnum, não seria um blackBerry?